Dia 12 – Portugal, aqui vou eu!

Um quarto de hora depois estava de novo na Gare d’Austerlitz. Dirigi-me à bilheteira, onde encontrei a menina que me atendera dois dias antes. “Conseguiu o dinheiro?”, perguntou. “Sim!”, respondi, e enquanto o diabo esfrega um olho recebi um bilhete para um “sumptuoso” lugar sentado no Intercité de Nuit para Irún. Sim, muito ficariam de nariz torcido por não ser uma cama, mas eu não:  TINHA UM BILHETE PARA SAÍR DE PARIS, para seguir para Sul, e isso era tudo o que me interessava, era o que mais queria! Agradeci a gentileza com que me atendeu, peguei nas minhas coisas e fui até ao piano: se há dois dias ele servira para escoar as minhas dúvidas e ânsias, hoje servia para espalhar a alegria que sentia! Toquei durante uns bons quinze minutos, até sentir fome. Eram cerca de 19h, estava na hora de atestar a barriga. “Vamos lá procurar uma solução!”, pensei, sorridente.

in: Pé Descalço